INFORMAÇÃO É PODER

DADOS, DICAS E RECEITAS DE VIDAS SEM GLÚTEN



quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Vertigens e o glúten

Imagem retirada da Net
aqui se falou sobre os efeitos do glúten no cérebro. O artigo que divulgo hoje aborda a questão das tonturas crónicas, a chamada doença de Ménière, e uma possível ligação ao glúten. Conheço alguns casos desta doença, o que me levou a pesquisar sobre uma eventual ligação com o glúten. Este artigo parece-me bastante elucidativo, demonstrando que há casos em que se pode estabelecer uma conexão mas que a medicina ainda precisa de aprofundar este assunto.
 
 
“Poderá o glúten causar vertigens em alguém com doença celíaca ou sensibilidade ao glúten?
 
As vertigens significam tonturas que resultam de uma disfunção no sistema de equilíbrio do seu ouvido interno. Quando você tem vertigens, pode-lhe parecer que a sala está a girar, ou pode sentir-se como se estivesse mesmo a girar ou em movimento quando na verdade você está sentado ou parado em pé.
 
A tontura pode começar por causa de um estímulo externo que leva a um desequilíbrio no seu ouvido interno (por exemplo, quando sente enjoo ou consome álcool a mais), ou pode resultar de uma real disfunção do seu ouvido interno, como acontece na doença de Ménière. As pessoas com doença de Ménière sofrem surtos de vertigens crónicas, e os médicos não sabem ainda qual a causa desta doença.
 
Então, poderá o glúten causar vertigens?
Talvez, mas está longe de ser provado. Há muitos relatos de pessoas com surtos de vertigens que melhoraram ou desapareceram completamente quando começaram uma dieta isenta de glúten. No entanto, não há realmente muito escrito na literatura médica sobre vertigem e glúten.
 
Um relatório de caso, publicado em 2002, descreveu uma menina de 11 anos que foi internada no hospital com vertigens, náuseas e falta de apetite. Os testes para a doença celíaca foram realizados e a doença diagnosticada, logo ela iniciou a dieta sem glúten. De imediato, as vertigens desapareceram. Voltavam quando ela saía da dieta e desapareciam novamente quando a dieta ficava mais rigorosa, o que indica que as vertigens resultavam da sua ingestão de glúten.
 
Um segundo estudo, este publicado em 2012, olhou para a sensibilidade ao glúten em pacientes com diagnóstico de doença de Ménière, usando um teste cutâneo. Um total de 58 pacientes com doença de Ménière foram testados para a sensibilidade ao glúten por meio de punção da pele.
 
O estudo, através do teste cutâneo, descobriu que 33 dos 56 pacientes com doença de Ménière testados eram sensíveis ao glúten. A maioria deles mostrou reacções entre seis e 12 horas após o teste. No entanto, o estudo não colocou os pacientes numa dieta isenta de glúten, logo não ficou claro que, qualquer uma dessas pessoas que testaram positivo, veria uma melhoria nas suas vertigens se começasse a comer sem glúten.
 
Os autores observaram que este foi o primeiro estudo a olhar para a doença de Ménière e o glúten, e que novos estudos são necessários para determinar a relação entre a resposta do sistema imunológico ao glúten e a doença de Ménière.
 
Assim, a investigação muito preliminar indica que pode haver uma ligação entre vertigem e glúten em pessoas com doença celíaca e sensibilidade ao glúten. No entanto, é necessária muito mais pesquisa para se averiguar se a dieta sem glúten pode ajudar alguns pacientes com vertigem crónica.”
 
Um outro artigo:

11 comentários:

Anónimo disse...

Bom dia,Lucente
Obrigada por disponibilizar esta informação. Desconhecia a aparente relação da doença celíaca com a doença de Meunière. Eu sou um dos casos - tenho as duas condições. Fui diagnosticada com Meunière aos 35 anos e aos 49 com a doença celíaca. Quem sabe se o diagnóstico desta úlitma tivesse sido precoce, pudesse ter evitado a primeira?
Maria Rosa

Lucente disse...

Eu é que agradeço o feedback! A sua doença de Ménière melhorou com a dieta?

Anónimo disse...

Bom dia,
Não consigo estabelecer uma relação direta com a dieta uma vez que, mesmo depois de a ter iniciado, tenho alturas em que estou pior. No entanto, o meu caso não será talvez o melhor para exemplo uma vez que não tenho muitas crises de vertigens (daquelas que nos obrigam a recorrer ao hospital!), tive apenas duas nesta 2.ª fase da doença que se iniciou por volta dos 42 anos. A primeira foi aos 35 e melhorou muito. Nessa altura, ainda não tinha sido diagnosticada com a DC e não fazia por isso a dieta.

Lucente disse...

Obrigada Maria Rosa. Realmente, a impressão que tenho é que, a menos que a DC seja diagnosticada em criança, é difícil a remissão das outras doenças que lhe aparecem associadas, podem até melhorar mas não desaparecem por completo, especialmente se se tratam de condições auto-imunes. É pena os diagnósticos normalmente pecarem por tardios...

Anónimo disse...

É, no meu caso, que sempre tive problemas, especialmente com diarreias, em criança não foi possível o diagnóstico. Talvez por isso tenha muitas condições associadas à DC, tais como: problemas no esmalte dos dentes, dores articulares, DM, infertilidade. Escapei, contudo, à osteoporose.
Enfim, o que quero dizer com isto tudo é que as pessoas não desistam de conseguir um diagnóstico para os seus filhos. Pode ser muito importante para as suas vidas futuras!

Maria Rosa

Lucente disse...

Concordo consigo, fala-se muitas vezes que os médicos não sabem fazer diagnósticos, mas há casos em que a resposta aos problemas da criança demora em aparecer porque os pais metem a cabeça na areia... Infelizmente ainda há quem acredite que mais vale ir gerindo o mal-estar do que eliminar o bendito pão da dieta. Enfim, são opções. Mais uma vez, obrigada pelo seu testemunho Maria Rosa!

Renata Fraia disse...

"ME ENCONTREI", ao me identificar com tais sintomas. Tenho vertigens e uma sensação que não consigo explicar a ninguém. É quase como uma visão turva, sem ser turva de fato. Mas tratei de labirintite sem sucesso e - ao eliminar o glúten da dieta - minha vida mudou radicalmente. As tonturas (vertigens) desapareceram e minha capacidade de concentração e laboral melhoraram 100%.

Mas quando penso: Ah! isso é bobagem e volto a consumir glúten, eis que os sintomas voltaram. Não sou celíaca, mas hoje (30/01), estou assim porque ontem comi uma empada grande de camarão, e mais tarde uma coxinha gigante e acho que mais algumas coisas com farinha de trigo. Enfim, hoje estou mal. Não consigo me concentrar, já tive vertigem 3 vezes desde que acordei (e ainda são 10:00 am) e não estou conseguindo me concentrar pra escrever um artigo simples (sou jornalista-redatora).

Agora estou ansiosa pra ler seu texto sobre a doença de Meniere. Espero que com meu relato possa ajudar outras pessoas.

Ah! quero deixar claro que se como glúten de vez em quando não tenho os sintomas, mas apenas quando como muito como ontem ou pequenas quantidades por dias seguidos.

E mais... Infelizmente, ficar sem o glúten me prende o intestino (já que dizem que ele "irrita" o intestino).

Lucente disse...

Muito obrigada Renata pelo seu testemunho! Acho muito importante que se troquem estas impressões para ajudar quem está a passar por situações semelhantes. Já ponderou fazer o rastreio para doença celíaca?

Unknown disse...

Vc realmente conseguiu melhorar? Tenho esses sintomas a 1 ano ja, e minha vida virou de ponta cabeça, muito complicado lidar com isso, só quem passa sabe como é, você sentir sintomas e nao saber explicar a ninguem e achar que ta ficando maluco.

Procurei seu email, mas nao o achei, o meu é jvdojvdo@gmail.com

marcinha disse...

Nossa eu tinha tontura constante, qualquer coisa que estimulasse meu labirinto pronto já vinha uma crise de tontura enjoo, resolvi tirar o glúten para ver se perdia uns quilos... Aí Pan lá se foram as tonturas e dores nas articulações estão melhorando a cada dia.

Anônimo disse...

Tenho crise de labirintite, assistindo um programa, uma participante, relatou sobre a retirada do glúteo da sua alimentação, resolvi fazer o mesmo, estou a dez dias sem consumo do mesmo, mas já sinto uma melhora.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...