INFORMAÇÃO É PODER

DADOS, DICAS E RECEITAS DE VIDAS SEM GLÚTEN



terça-feira, 2 de junho de 2015

Erros de diagnóstico

O post de hoje traz um artigo do site Celiac.com sobre uma situação conhecida de muitos doentes celíacos: os diagnósticos sucessivos e erróneos que lhes são feitos até chegarem à verdade.

"Sabe quais são os erros de diagnóstico mais comuns na doença celíaca?

Imagem retirada da Net
O facto da doença celíaca ser frequentemente mal diagnosticada não é uma surpresa para quem já passou pelo que, muitas vezes, é um processo de diagnóstico longo e tortuoso. Os sintomas da doença podem ser vagos, e podem espelhar sintomas de numerosas outras condições.

Mesmo que a consciencialização sobre a doença celíaca esteja a melhorar, e os rastreios sejam mais comuns, os erros de diagnóstico continuam a acontecer com as pessoas que, eventualmente, são diagnosticados com esta condição.

Os diagnósticos errados mais frequentes incluem:

Síndrome do intestino irritável (SII): aos doentes celíacos é-lhes dito muitas vezes que sofrem de SII quando, na realidade, têm doença celíaca. Na verdade, a SII é o erro de diagnóstico mais comum entre as pessoas com doença celíaca.

Doença inflamatória intestinal (DII): em segundo lugar, a doença inflamatória do intestino é outro erro de diagnóstico comum das pessoas que realmente têm a doença celíaca.

Doença do refluxo gastro-esofágico: as pessoas com esta doença não têm maiores taxas de doença celíaca do que o resto da população. No entanto, uma percentagem bastante alta de pacientes com doença celíaca recém-diagnosticados tem refluxo e / ou falta de motilidade do esôfago; o que pode explicar a alta prevalência de sintomas de refluxo em pacientes com doença celíaca, e o erro de diagnóstico comum de doença do refluxo gastro-esofágico.

Úlceras: as úlceras são, muitas vezes, erroneamente suspeitas, bem antes da doença celíaca ser finalmente diagnosticada.

Gastroenterite viral: Outra condição que, frequentemente, os médicos suspeitam muito antes de suspeitarem de doença celíaca, é a gastroenterite viral.

Síndrome da fadiga crónica: a fadiga é uma queixa comum de muitas pessoas com doença celíaca, talvez, por isso, seja compreensível que muitos doentes com esta condição tenham tido um diagnóstico de fadiga crónica, ao invés de um diagnóstico preciso de doença celíaca.

Alergias: muitas pessoas são erroneamente diagnosticadas com alergias ambientais muito antes de serem diagnosticadas com a doença celíaca.

Infecção parasitária: os sintomas de doença celíaca podem espelhar outros de infecção por parasitas intestinais, o que é uma razão para muitos doentes celíacos fazerem análises à presença de parasitas muito antes de serem rastreados para a doença celíaca.

Vesícula biliar: os sintomas da doença celíaca podem espelhar os sintomas da doença da vesícula biliar, logo é por isso que muitas pessoas que, na realidade, têm a doença celíaca se encontram diagnosticadas com problemas de vesícula.

Colite: Outro culpado comum para um diagnóstico errado é a colite, que compartilha muitos sintomas com a doença celíaca.

Fibrose cística: muitas pessoas não se percebem que, em vários casos, os sintomas da doença celíaca podem levar os médicos a suspeitar de fibrose cística, ao invés de doença celíaca, prolongando assim o diagnóstico, tratamento e recuperação.

Disfunção psicológica: em muitos casos, os sintomas da doença celíaca podem ser tão difíceis de definir que os médicos perguntam- se os sintomas não estão na cabeça do paciente. Na sua busca pelo diagnóstico, muitos doentes com esta condição têm sido encaminhados para um psicólogo, em vez de avaliadas para a doença celíaca.

Intolerância à lactose: A intolerância à lactose é um erro de diagnóstico comum em pacientes com doença celíaca, porque a lesão da mucosa intestinal pelo glúten deixa-os incapazes de digerirem produtos que contém lactose.

Além de serem frustrantes e dolorosos, os erros de diagnóstico na doença celíaca são um grande problema porque, deixados sem resolução, os danos causados ​​pela doença continuam a aumentar, podendo evoluir para outros problemas de saúde e bem-estar."

Outros artigos:
Delays in Diagnosis of Celiac Disease Worry Experts

4 comentários:

Ana Pimenta disse...

Lucente, não podia concordar mais. De facto: Estima-se que o estabelecimento do diagnóstico definitivo leve em média 11 anos (com muitos outros diagnósticos, alguns correctos mas apenas concomitantes e não a base do problema), desde a primeira manifestação, permanecendo muitos indivíduos por diagnosticar. Obrigada. Irei partilhar.

Avelã disse...

Deve ser uma situação mesmo má! O desconforto e a dor ocasionais já põem uma pessoa mal disposta e irritável, de forma crónica... Nem consigo imaginal. Desesperante, mesmo.
Sinto que cada vez mais as pessoas sabem algo sobre isso, ainda que continue a estar (o conhecimento geral) um bocado aquém.
Não sabia que era assim tão padrão ser «confundido» com disfunção psicológica! Ou mesmo com intolerância à lactose, apesar de perceber porquê. Achei interessante ler isto, expões artigos que gosto de ler (e acabo por nunca o fazer se não fores tu :P) :)
Fiquei surpreendida com o comentário acima! 11 anos? Eu sei que é difícil, mas 11 anos é muita coisa...

Lucente disse...

Sim, Avelã, em média 11 anos... E como média que é, para cada pessoa que demorou 2, 3 anos a ter o diagnóstico há outras tantas que levaram 20, 30 anos. Nas etiquetas no blog, na etiqueta de testemunhos, há vários relatos destes, e o problema é que os atrasos no diagnóstico aumentam a probabilidade de aparecerem outras doenças auto-imunes e não só.

Unknown disse...

Ovário policístico, perda óssea no maxilar, tendinite, os desmaios na infância eram por causa de vermes.... Mas nunca ninguém suspeitou de Doença Celíaca e quando tirei o glúten tudo sumiu!!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...